TOCANTINÓPOLIS:
Facebook Youtube Twitter
Siga-nos:

Ex-funcionários Fantasmas da Prefeitura de Porto Franco Tiveram os Bens Bloqueados Juntamente com o Ex-Prefeito

Data do post: 27/03/2019 17:00:35 - Visualizações: (5799)

Pelo menos mais sete dos 33 investigados de estarem envolvidos na máfia dos funcionários fantasmas descoberta pelo Ministério Público no ultimo ano da gestão do ex-prefeito Adersinho tiveram sentença em desfavor e deverão devolver os valores dos salários recebidos sem trabalhar. Para garantir a devolução eles os bens indisponibilizados para que seja cumprida a sentença.

Imagem do site www.tocnoticias.com.brO Juiz Antonio Donizete Aranha Baleeiro aceitou o pedido da promotoria de justiça e solicitou a indisponibilidade dos bens de Aderson Marinho Filho Ex-prefeito de Porto Franco, Maria Arlete de Almeida Rodrigues assessora da ex-deputada Valéria Macedo, Edvan Miranda atualmente com o cargo de vereador em Porto Franco, Frederico Marinho Gomes que é sobrinho do ex-prefeito, Itacy de Sousa Carvalho, Ivaneide Rodrigues da Silva Egito que era secretária de educação na gestão de Adersinho, Tuane Morais Rodrigues que é filha de um taxista do município, e Fortunato Macedo Filho que era o vice-prefeito na gestão de Adersinho.

Na sentença o magistrado deferiu o pedido da promotoria, determinando a indisponibilidade de bens de Maria de Arlete de Almeida e do ex-prefeito Aderson Marinho Filho até o limite de R$ 62.417,04. Também foi determinado a indisponibilidade dos bens de Edvan Miranda, Frederico Marinho Gomes Barreto e novamente do ex-prefeito Adersinho até o limite de R$ 126.960,50. Itacy de Sousa Carvalho, Ivaneide Rodrigues da Silva Egito, Fortunato Macedo Filho e novamente do prefeito Adersinho tiveram os bens indisponibilizados no valor de R$ 77.319,90. Outra que também está com os bens indisponíveis é Tuanne Morais Rodrigues que juntamente com o ex-prefeito teve os bens bloqueados até a quantia de R$ 76.912,00.

No total o ex-prefeito Aderson Marinho Filho está com o os bens indisponíveis até o valor R$ 343.609,44 (Trezentos e quarenta e três  mil, seiscentos e nove reais e quarenta e quatro centavos).

Na decisão o juiz solicita ainda que o Banco do Brasil "Agência de Porto Franco" seja oficializado para informar aos autos do processo todos os valores pagos pelo município de Porto Franco, a título de remuneração/vencimentos, férias e gratificações natalinas de todos os requeridos durante o período do 2013 a Dezembro de 2016.

Entenda o Caso

O ministério público através da promotora Ana Cláudia Cruz dos Anjos iniciou Procedimento Preparatório ainda no ano de 2016, para coleta de provas tendentes a fim de demonstrar a possível prática de ato de improbidade administrativa praticada pelo prefeito Aderson Marinho Filho o "Adersinho", na contratação de pelo menos 33 pessoas que supostamente não trabalhavam na prefeitura mais que recebiam remuneração mensal como se trabalhassem. (Clique Aqui e Leia Matéria da Época)

Fonte: Redação do Tocnoticias

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.