Após 2 Anos de Espera, Enfermeira Formada Pela Unitins Garante Direito a Diploma na Justiça

Data do post: 04/07/2018 14:22:28 - Visualizações: (155)    Imprimir

Em decisão da 2ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas, uma enfermeira formada pela Fundação Universidade do Tocantins (Unitins)/ campus de Augustinópolis, garantiu o direito de receber o diploma de conclusão do curso após mais de dois anos da colação de grau.

Tribunal de Justiça-TOPara a expedição do documento, a autora da ação precisou impetrar mandado de segurança contra a universidade.

Conforme sentença assinada pelo juiz Rodrigo da Silva Perez Araújo, apesar da instituição de ensino superior afirmar que não pode emitir o diploma dos alunos de Enfermagem em razão do referido curso ainda não ter sido devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), no entendimento do magistrado, os formandos não podem ser penalizados pela morosidade do processo. Consta nos autos que a Unitins somente entrou com o pedido de reconhecimento do curso dois meses após a colação de grau da turma. "Não é razoável a impetrante aguardar a finalização do processo de reconhecimento junto ao órgão competente, pois, já finalizou o curso, sendo que somente em março de 2016, a instituição de ensino protocolizou o pedido de reconhecimento do Curso de Enfermagem juntos ao respectivo órgão", avaliou. "Registra-se, ademais, que não há informações adequadas prestadas pela impetrada das razões pelas quais somente em março de 2016 houve a protocolização do pedido de reconhecimento do curso. Assim, eventual inércia/morosidade da instituição de ensino não pode prejudicar a parte impetrante no prosseguimento de sua vida profissional, porquanto já obteve proposta de emprego, conforme relata na inicial", complementou.

Ainda de acordo com o magistrado, o mesmo raciocínio deve ser aplicado em relação à conclusão do processo de reconhecimento do curso. "Nesse diapasão, de acordo com a jurisprudência pátria, se afiguram devidos o registro e a expedição de diploma de conclusão de curso superior, independente do processamento do pedido de reconhecimento do aludido curso, posto que o curso autorizado, mas ainda não reconhecido pelo Ministério da Educação e Cultura - MEC, como no caso, gera efeitos jurídicos em relação aos alunos que dele participaram de boa-fé, os quais fazem jus, ao final, ao diploma de conclusão", concluiu.

Ao conceder a segurança pleiteada, o juiz determinou a expedição do diploma de conclusão de curso superior à autora da ação.

Confira a sentença.

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Nêgo D´água Afundando: Prefeito de Angico (TO) Pode Perder o Cargo Por Improbidade Administrativa

Foto da notícia

Data: 14/10/2018 01:54:29 - Visualizações: 2718

Notícias Relacionadas

17/10/2018
Polícia Civil Tira Mais Três Traficantes de Circulação

16/10/2018
Polícia Militar Prende Casal Por Posse Ilegal de Arma de Fogo

16/10/2018
Autor de Furto Qualificado é Indiciado Pela Polícia Civil

16/10/2018
Polícia Militar Prende Homem Por Roubo

16/10/2018
Corpo de Bombeiros Alerta Para Incidência de Tempestade com Raios em Todo o Tocantins

16/10/2018
Reunião do Fumpol é Realizada Pela Secretaria da Segurança Pública em Palmas

Todas as Notícias